Vida de MUNs

+ Ver comentários
Andei meio distante do blog por diversas ocupações.
Uma delas, foi o meu recente feriado em BH, participando do TEMAS.
Sendo assim, me comprometo a escrever um pouquinho sobre essa experiência aqui, inclusive incentivada ao ler textos e relatos sobre no blog da Amanda e no blog da Paulinha.
Ainda antes disso, o texto do meu mentor-amigo me inspirou para escrever um pouquinho sobre o que penso acerca desse assunto, que são os MUNs.


Pois então, acho que a princípio é muito difícil descrever a sensação que um evento desse traz, é de maneira específica para cada indivíduo e é só empíricamente que se descobre. Por incrível que pareça, hoje fizeram me lembrar do meu primeiro comitê oficial que participei, o que me leva a refletir um pouquinho sobre minha jornada de modelos. Ai a sensação de primeiro modelo então...! É tão gostoso relembrar!

Eu não tenho como negar a importância que isso faz na minha vida. Posso aflorar e descobrir gostos que compõe um caminho que sigo, conheço pessoas essenciais para minha construção pessoal, conheço pessoas bastante interessantes (aquelas pessoas boas de se conhecer!), e não só isso, conheço amigos. Amigos incríveis que eu gostaria de levar para casa. Cada um em sua maneira peculiar de ser. Tudo parece lindo falando assim, mas mesmo o que há de negativo para conhecer, é de alguma maneira muito construtivo. Ao menos para mim.

E é assim que eu classifico a experiência de um modelo: Muito construtiva. Em experiências pessoais, em experiências acadêmicas, de conhecimento, de relacionamentos, de momentos. De alguma maneira, é transcendental.

E desde a primeira vez que eu comecei a simular, só achando legal, não querendo me envolver, não reconhecendo que eu gostava do negócio, não reconhecendo que eu tinha potencial e tudo mais... Apareceram muitas pessoas que tiveram a disposição de me incentivar, além da minha própria curiosidade.
E eu sou muito grata a elas. Pois é Igor, serei eternamente sua padawan, haha. :P

Simular hoje é um hobbie de muita paixão para mim. Não tinha como eu não me encantar. E ainda, me sentindo gente grande vestindo um terninho bonito e com pessoas me conferindo atenção. ;)
Sei que sempre me sinto muito feliz e em paz de espírito após um modelo, digo, cheia de alegrias, desejos, motivações e muito mais. Por isso que lembro de cada experiência com tanto carinho, vivem numa dimensão diferente, quase, é uma outra realidade. É incrível.

Mas, para tudo isso, soma-se vários elementos. Primeiro, o campo da incerteza - mas não se deve nutrir muitas expectativas nele, e sim, deixar-se surpreender. É isso que considero como um 'segredo' para tudo ser tão bom no final.
E nada é tão simples e bobo quanto pode parecer: "Ah, você vai lá ficar encenando à toa um país..." É claro que não há graça alguma se você pensa dessa maneira. Até porque não é assim que funciona.
Depois, nenhum dos elementos estarão na sua forma ideal. Um comitê nunca estará perfeito, terá seus altos e baixos - é claro que um comitê cheio de altos é um máximo!, mas os baixos fazem parte, que seja para contar os casos da burrice humana, as pérolas... e muita risada! Oras, paciência é essencial em qualquer lugar - haverão várias falhas e enfim, o mundo não é da maneira que desejamos. E isso é um ponto difícil - ao menos para mim, de se lidar no início - porque de alguma forma, me gera um pouco de frustração, mas uma frustração que conseguiu se converter de maneira bem útil. Eu, que sempre gostei muito de comitê rosa (Direitos Humanos) ou verde (Meio ambiente), de alguma maneira, me sentia oprimida em ver lindas resoluções em contraste com o mundo real ou discursos idealistas que se chocam com a realidade. Mas, de certa forma, é o que acontece constantemente no mundo atual, em qualquer âmbito.
E portanto, decidi pegar situações mais complexas e menos idealistas, e aí, me deparava com um outro quesito que era a falta de opções: "Mas isso não tem resolução! =)", não uma resolução concreta e aceitável. Pois é, acontece. Mas é a verdade, oras. É assim que o nosso mundo funciona e gira...

Saber superar isso e aprender a lidar é uma etapa muito importante, ao menos foi para mim. Sei que agora queria experimentar um comitê histórico, para saber como me sentirei em um.

Pois então, sendo objetiva e tratando especificadamente do TEMAS agora.
O TEMAS me traz muita admiração porque é um modelo que luta contra todos os empecilhos, adversidades da vida e toda a falta de apoio e ainda sim, funciona extraordinariamente bem, correspondendo todo o bom currículo dele que ouvia falar. E todos, inclusive eu, posso falar agora, com muito orgulho. Muito orgulho daqueles que fazem o modelo funcionar. Que sejam os delegados, como fonte central do modelo, mas, especialmente, dos "chefes" que coordenam e controlam tudo isso. Nutro um extremo orgulho por todos esses meus amigos que fizeram o TEMAS acontecer com muita qualidade. E é isso, o mais legal do TEMAS é ser um modelo de amigos, para amigos, com muito empenho, esforço e determinação de cada um para fazer o melhor possível para este se desenvolver. E é um modelo inovador, que não tem receios em simular novas propostas das formas mais inusitadas ou não convencionais. Isso o deixa ainda mais interessante, especialmente para veteranos modeleiros que já estão acomodados e quase entediados com o tradicionalismo de sempre. Caracteriza-se, então, um vigor muito grande nesse projeto e contagia todos.

Concepções sobre como as coisas são muito relativas porque são parciais, são apenas aquilo que queremos ressaltar e não o que acontece na íntegra. Mas então, meu comitê desta vez - Conselho de Segurança das Nações Unidas - foi, sem dúvida, o melhor que eu participei. Em animação, em dinâmica, em liberdade... E sempre tem um quê de importância no Conselho de Segurança, não tem como. Eu sempre fui curiosa para saber como realmente era um CS. Engraçado que nesse modelo, fiquei curiosa para estar em todos os comitês, o que é ótimo!!! (Ah a Alta Corte... Doida demais para mim, mas muito legal!!! Estou ansiosa para ver os vídeos. E o G-8, seria o tipo de comitê que espontâneamente eu iria no jeito que hoje estou. A liga árabe, talvez, seria um comitê que há um tempo atrás, adoraria mesmo ir.)
Ou seja, a experiência acadêmica foi incrível.
E mais uma vez, tudo entre amigos, maravilhoso! A princípio, tenho de agradecer a hospedagem e companhia da minha dupla, a Cela, e no mesmo patamar de importância, ao Igor, que deu todo auxílio e apoio possível a mim e aos outros, inclusive sendo um motorista profissional perante todas as dificuldades desse trânsito de BH e seus estacionamentos. Em seguida, preciso agradecer todos aquelas pessoas especiais que pude reencontrar e aí, são um monte, difícil de citar...
Incluem o congratulado secretariado - o Papito (coloque já a cla junto também) e o Nogueira - minha Gemea Agatha, Yama - o cara das boas conversas...
Agradeço também ter conhecido tanta gente interessante, em especial as meninas Marina e Rubia, e o trio que me divertiu muito! - JG, JP, Phil...
Não posso esquecer também daqueles que estão sempre ao meu lado, Paulinha e cia, e aproveito para elogiar Amanda e Luã, ótimos novatos.

Nessa viagem, eu não há nada que eu possa reclamar - a não ser o de praxe, que BH é um morrinho e derivados :P - bem pelo contrário, tudo foi tão maravilhoso, fui muito bem recebida, muito bem acolhida pelos meus amigos, tive muitas alegrias, me alimentei bem demais (surpreendi-me nesse quesito), conheci ainda mais a cidade e o clima ainda estava bastante ameno e agradável, ou seja, dei sorte :PPP

Só não tirei muitas fotos, é verdade, mas ficam algumas aqui para marcar:

Quem mais come salmão no Eddie's?! \o\ /o/


Parques e pracinhas tão bonitos, umas coisa que eu gostaria de trazer um poquinho para cá, além de uma estrutura histórica muito bonita - meio encoberto na cidade, mas tudo bem.

A vida noturna de BH é algo incomparável, os restaurantes temáticos, a Savassi que é dez vezes o nosso triângulo daqui e enfim, não há aquele tédio que temos aqui de "o que tem para fazer hoje a noite? cri cri", maaas... Ainda não pude aproveitar tudo isso porque incrivelmente a fiscalização em BH funciona e eu, mocinha demais para essas coisas, sou privada dessa boa parte, por enquanto.
Também gostaria de trazer um pouquinho de apreço a cultura e derivados que lá existem.
Na verdade, BH me lembra SP, de alguma maneira, uma cidade grande, de negócios, não tão bonita assim na íntegra, mas, diferencialmente BH consegue lidar com suas proporções, expandindo em um crescimento ordenado a cidade, consegue ter alguma manutenção e cuidado (pricipalmente falando sobre a Savassi, a parte que presta da cidade :P) , e é muito arborizada - um ponto bem positivo.

Ademais, essa viagem foi muito importante para eu reformular e definir ideias.
Sei dizer que ano que vem, quero de novo!
E que as aspirações mais almejadas são o Amun e 'O' Gmun !!!

Terminando o assunto sobre modelos, gostaria de expressar alguns pensamentos acerca de nossa situação capixaba em modelos. Fico triste em ver que o Nações não tem condições de funcionar com qualidade esse ano - ao mesmo que compreendo e concordo com a razão dessas decisões - e por isso tenho esperança que iremos, de pouco a pouco, formar uma base sólida para ele acontecer da melhor maneira num futuro breve. Depende de muita disposição e empenho das pessoas, bem como da valorização mesmo daqueles que não estão envolvidos.
É um incentivo para os novatos e também um recrutamento de muitos por aí que gostam e ainda não se aventuraram por completo, apenas com essa união que poderemos fazer um projeto e um evento de muita qualidade em todos os âmbitos, mesmo que ainda pequenos, mas que sirvam para nossa diversão e satisfação.

Encerrando esse post, só me resta dizer que a minha Vida de MUN's me realiza muito!