Mozart, eu e o piano

+ Ver comentários

O piano me deslumbra pela sua sonoridade e Mozart é um dos compositores que mais me encanta com isso.
Mozart não só faz soar cada instrumento clara e distintamente, mas também combina os instrumentos de diversas maneiras possíveis, criando efeitos sonoros estupendos. Uma delícia para os ouvidos.

A Sexta Sonata - em Ré Maior, K284 - chamada Sonata Dürnitz por ter sido dedicada a um certo Barão Dürnitz que Mozart conheceu em Munique, está escrita num estilo inconfundivelmente pianístico, e não funcionaria bem em nenhum outro instrumento. O terceiro movimento é um tema com doze variações que contém passagens que ganham um realce extraordinário com o uso do pedal, pela primeira vez numa sonata de Mozart.

A Sonata em Dó Maior, K309, é ainda mais marcantemente pianística do que a anterior. Ela abre com poderosos acordes que produzem um efeito de eco, parecendo anunciar o despertar de uma nova era. Ela foi composta em Mannheim em outubro e novembro de 1777, onde parece que Mozart entrou em contato com um novo instrumento de fabricação Stein, cujas possibilidades sonoras o fascinaram. Esta sonata foi dedicada a uma aluna de Mozart, Rosa Cannabich. Esta e a anterior estão entre as primeiras peças da história da música escritas especificamente para piano.

O segundo movimento, um minueto, abre com o mesmo tema que dá início à sonata K309, mas que Mozart desenvolve de maneira totalmente diferente. Aqui, o gênio de Mozart se manifesta da maneira mais patente: como pode uma mesma idéia musical dar origem a duas coisas tão diferentes? Mas a maior razão da fama desta sonata está no célebre final alla turca, uma peça que nunca deixa de deleitar os ouvintes ou excitar os virtuoses.
Esse é o elemento mais belo das sonatas de Mozart, (tive a sorte :DD de encontrar um livro pela internet com todas as partituras) ao mesmo tempo que são interligadas, são únicas e maravilhosas em seu estilo. E o estilo de Mozart é uma das coisas que mais me atrai - inclusive a possibilidade do intérprete se apoderar da música e "sentir-se dono do piano", imprimir o ritmo desejado e enfim.

Bem, sou suspeita para falar. É o que eu gosto de tocar. :)

Deixemos então Glenn Gould recitar:


E, sobre o excepcional Glenn Gould, um outro video muito interessante:


ps. meu belo namorado tem a coletânea musical completa de Mozart e as interpretações de Glenn Gould também! ;D