As aspirações femininas e um blog

+ Ver comentários
Acabei de assistir Julie & Julia e me inspirei para fazer uma metapostagem sobre o blog.

No filme, as protagonistas demonstram suas duas grandes paixões: escrever e cozinhar. O que me incentiva na parte de cozinhar é a parte expressa de que elas casaram e mal sabiam cozinhar um ovo, mas com empenho, se tornaram grandes cozinheiras (sim, conheço histórias reais disso, que admiro muito!)

E assim, com muito amor e determinação, uniram as duas paixões que transformaram suas vidas em algo mais alegre, e como resultado, escreveram um livro. Uma delas demonstrava o caso de se ter um blog transformado em um livro. E querendo ou não, acho que é intrínseco a nós (blogueiras) almejarmos um dia sermos escritoras de verdade, sim. ;P

Sou uma apaixonada pelo meu blog, acho ele é tão lindo... Tão lindo em sua completude, para mim.

Muito interessante reflexões o filme fez sobre 'ter um blog', além dos básicos questionamentos "ah, ninguém me lê, não sei porque escrevo...", foram abordados assuntos como sobre quão egocêntricas precisamos ser para manter uma página 'eu-eu-eu' e sermos fiéis (demandar tempo) a isso.

Um outro ponto citado que vale ressaltar é algo muito curioso que vivencio também: ter grandes amigas por correspondência, e só depois de muitos anos (no caso do filme, 8 anos de cartas), as amigas se conhecerem pessoalmente. Acho que é nosso caso, não é @betty2boop? ;)

Agora, o que mais gostei foi o enfoque de que as grandes aspirações femininas são em prol de amáveis homens que encantam nossas vidas e as deixam mais felizes, fazendo tudo valer a pena. Clichê - e talvez antiquado - mas no fundo, mulheres querem ter alguém para amar e cozinhar: para serem amadas e terem alguém para elogiar suas virtudes :P

Acho que mesmo para a mais independente e autosuficiente das mulheres (defendo isso, mas sem extremismos - deve-se haver um equilíbrio) isso faz falta, alguma hora. Alguma hora uma crise dessas aparece, inevitavelmente. E sou contra ao feminismo exagerado (sou a favor da valorização da mulher, mas nem tanto), a ponto de algumas abominarem a cozinha sem nem saber o que é. É claro que não estou dizendo que toda mulher em essência quer ser dona do lar, longe de mim! Ainda mais eu, que não tenho talento algum para isso... Cozinhar, para mim, só se for co-cozinhar (ser copilota na cozinha, haha), mas esperanças de progresso até existem.

O problema que nós, mulheres, sempre teremos inúmeros tipos de 'crises' e melhor é quando há alguém ali para fazer tudo melhorar. É impressionante como eles podem nos aguentar. E por isso somos tão gratas e amamos eles ainda mais, vê se pode ;P

No filme, a cozinheira principal, resolveu exercitar sua maior paixão na vida (comidas gostosas, comê-las e fazê-las :P) e assim, encontrar sua realização pessoal e compartilhar isso com o seu amado - em uma situação que muito me agrada - o qual ele era um diplomata que adorava ser exigente na qualidade de suas refeições e fotografar os feitos de sua mulher, haha. ;)

Esse companheirismo e apoio motivam as aspirações femininas; então, o filme expõe isso como 'Sorte': o amor, ou melhor, os diversos amores e paixões que temos na vida.
Time after time
I tell myself I'm so lucky
To be loving you
I'm so lucky to be
The one you run to see
In the evening
When the day is through

I only know what I know
The passing years will show
You kept my love so young
So new
And time after time
You'll hear me say that I'm
So lucky to be loving you

I only know what I know
The passing years will show
You kept my love so young
So new
And time after time
You'll hear me say that I'm
So lucky to be loving you