Why not?

+ Ver comentários
You think you’re going nowhere
When you’re walking down the street
Acting like you just don’t care
When life could be so sweet

Why you wanna be like that
As if there's nothing new
You’re not fooling no one
You’re not even fooling you

So walk a little slower
And open up your eyes
Sometimes it’s so hard to see
The good things passing by

There might never be a sign
No flashing neon light
Telling you to make your move
Or when the time is right

(So) Why not
Take a crazy chance
Why not
Do a crazy dance
If you lose a moment
You might lose a lot
So why not
Why not

You always dress in yellow
When you wanna dress in gold
Instead of listening to your heart
You do just what you’re told
You keep waiting where you are
For what you'll never know
Let’s just get into your car
And go baby go

You’ll never get to heaven
Or even to L.A.
If you don’t believe there’s a way

Why not
Take a star from the sky
Why not
Spread your wings and fly
It might take a little
And it might take a lot
But why not
Why not

Every day I live I am more convinced that the waste of life lies in the love we have not given, the powers we have not used, the selfish prudence that will risk nothing and which, shirking pain, misses happiness as well.

Mary Cholmondeley
O amor é um risco. Um risco em prol de singelos instantes incríveis de felicidade. Ainda sim, o amor não deixa de ser uma dor, hahaha. Mas essa é a vida. ;)

ps. em homenagem a dois grandes amigos meus - e a uma reflexão de vida.

Quantos dedos se precisam para tocar uma música?

+ Ver comentários

No filme Gattaca, assisti algo muito interessante sobre a tendência genética do futuro para pianistas é reproduzir genes que possibilitem a mão ser maior e com mais dedos. Em um concerto que se apresenta no filme, a música interpretada pelo pianista de 6 dedos é baseada em Impromptu in G Flat Major, Op. 90, No. 3 de Franz Schubert. Os criadores fizeram um belo trabalho, incorporando harmonias e notas adicionais, para que só pudesse ser tocada com 12 dedos. Entretanto, seria isso realmente um diferencial? É claro que em quesitos de técnica sim, mas...

Certo dia estava passeando pelos canais na tv e, no programa Roda Viva, estava passando o Maestro João Carlos Martins. Aos 26 anos, João Carlos Martins passou a enfrentar os problemas que mais tarde paralisaram suas mãos, e assim, perder parcialmente o movimento das mãos tirou dele a possibilidade de tocar piano profissionalmente, mas não o impediu de seguir a sua trajetória na música. Após décadas de tratamentos e cirurgias, que o afastaram do piano, em 1995 João Carlos Martins voltou aos teclados. E então, hoje, toca com 7 dedos no total. E nem por isso sua música deixa de encantar, muito pelo contrário: Ele ensina que cada nota tem seu valor, é sublime a estar tocando. E, independente de quantos dedos há para tocar, o sentimento que se passa com cada um é o que vale. E para o Maestro, ter a oportunidade dos seus dedos tocarem as notas é sublime: E assim se faz uma bela música.

A música mais ressaltada por ele é Revière, de Schumann, e é interpretada de maneira esplêndida. É curioso pensar a beleza que ele transpassa na música enquanto nós, com 10 dedos, muitas vezes não conseguimos. Mas nada de reclamar de mãos ou de dedos, porque afinal, isso não importa - devemos celebrar a preciosidade de tê-los.

E, de volta ao filme Gattaca, o diferencial exposto é a determinação. É fazer com que, mesmo sem o tamanho ideal tamanho de mãos ou dedos suficientes para tocar uma música, o pianista se empenhe para fazê-la sensacional. E isso é demonstrado por meio da vontade de tocar, pela alegria e por todos os outros sentimentos que são externados em uma melodia musical.

As aspirações femininas e um blog

+ Ver comentários
Acabei de assistir Julie & Julia e me inspirei para fazer uma metapostagem sobre o blog.

No filme, as protagonistas demonstram suas duas grandes paixões: escrever e cozinhar. O que me incentiva na parte de cozinhar é a parte expressa de que elas casaram e mal sabiam cozinhar um ovo, mas com empenho, se tornaram grandes cozinheiras (sim, conheço histórias reais disso, que admiro muito!)

E assim, com muito amor e determinação, uniram as duas paixões que transformaram suas vidas em algo mais alegre, e como resultado, escreveram um livro. Uma delas demonstrava o caso de se ter um blog transformado em um livro. E querendo ou não, acho que é intrínseco a nós (blogueiras) almejarmos um dia sermos escritoras de verdade, sim. ;P

Sou uma apaixonada pelo meu blog, acho ele é tão lindo... Tão lindo em sua completude, para mim.

Muito interessante reflexões o filme fez sobre 'ter um blog', além dos básicos questionamentos "ah, ninguém me lê, não sei porque escrevo...", foram abordados assuntos como sobre quão egocêntricas precisamos ser para manter uma página 'eu-eu-eu' e sermos fiéis (demandar tempo) a isso.

Um outro ponto citado que vale ressaltar é algo muito curioso que vivencio também: ter grandes amigas por correspondência, e só depois de muitos anos (no caso do filme, 8 anos de cartas), as amigas se conhecerem pessoalmente. Acho que é nosso caso, não é @betty2boop? ;)

Agora, o que mais gostei foi o enfoque de que as grandes aspirações femininas são em prol de amáveis homens que encantam nossas vidas e as deixam mais felizes, fazendo tudo valer a pena. Clichê - e talvez antiquado - mas no fundo, mulheres querem ter alguém para amar e cozinhar: para serem amadas e terem alguém para elogiar suas virtudes :P

Acho que mesmo para a mais independente e autosuficiente das mulheres (defendo isso, mas sem extremismos - deve-se haver um equilíbrio) isso faz falta, alguma hora. Alguma hora uma crise dessas aparece, inevitavelmente. E sou contra ao feminismo exagerado (sou a favor da valorização da mulher, mas nem tanto), a ponto de algumas abominarem a cozinha sem nem saber o que é. É claro que não estou dizendo que toda mulher em essência quer ser dona do lar, longe de mim! Ainda mais eu, que não tenho talento algum para isso... Cozinhar, para mim, só se for co-cozinhar (ser copilota na cozinha, haha), mas esperanças de progresso até existem.

O problema que nós, mulheres, sempre teremos inúmeros tipos de 'crises' e melhor é quando há alguém ali para fazer tudo melhorar. É impressionante como eles podem nos aguentar. E por isso somos tão gratas e amamos eles ainda mais, vê se pode ;P

No filme, a cozinheira principal, resolveu exercitar sua maior paixão na vida (comidas gostosas, comê-las e fazê-las :P) e assim, encontrar sua realização pessoal e compartilhar isso com o seu amado - em uma situação que muito me agrada - o qual ele era um diplomata que adorava ser exigente na qualidade de suas refeições e fotografar os feitos de sua mulher, haha. ;)

Esse companheirismo e apoio motivam as aspirações femininas; então, o filme expõe isso como 'Sorte': o amor, ou melhor, os diversos amores e paixões que temos na vida.
Time after time
I tell myself I'm so lucky
To be loving you
I'm so lucky to be
The one you run to see
In the evening
When the day is through

I only know what I know
The passing years will show
You kept my love so young
So new
And time after time
You'll hear me say that I'm
So lucky to be loving you

I only know what I know
The passing years will show
You kept my love so young
So new
And time after time
You'll hear me say that I'm
So lucky to be loving you

A melhor preguiça

+ Ver comentários
O Sono como Condição de Saúde

Eu presto homenagem à saúde como a primeira musa, e ao sono como condição de saúde. O sono beneficia-nos principalmente pela saúde que propicia; e também ocasionalmente pelos sonhos, em cuja confusa trama uma lição divina por vezes se infiltra. A vida dá-se em breves ciclos ou períodos; depressa nos cansamos, mas rapidamente nos relançamos. Um homem encontra-se exaurido pelo trabalho, faminto, prostrado; ele mal é capaz de erguer a mão para salvar a sua vida; já nem pensa. Ele afunda-se no sono profundo e desperta com renovada juventude, cheio de esperança, coragem, pródigo em recursos e pronto para ousadas aventuras. «O sono é como a morte, e depois dele o mundo parece recomeçar de novo. Pensamentos claros surgem firmes e luminosos, como estátuas sob o sol. Refrescada por fontes supra-sensíveis, a alma escala a mais clara visão» [William Allingham].

Ralph Waldo Emerson, in Inspiration

Contrariando o azar

+ Ver comentários

Sabe aquele dia que tudo tende a dar errado? Eu poderia citar inúmeros exemplos e desventuras, mas, acho que cada ser humano tem suas próprias experiências particulares com isso :P

O que gostaria de expor é a minha perspectiva de que não podemos deixar as coisas darem errado, e sim fazê-las darem certo.

É importante querer um bom dia, e não só isso, fazê-lo dar certo independente das circunstâncias. Ser teimosa com o que insiste dar errado, contrariar o azar e... "criar sorte", ainda mais quando ela não quer aparecer. E assim ter um bom dia =)

Não se pode ter uma postura (muito frequente, especialmente comigo que adoro ficar chatinha) de reclamar da vida e dos problemas, mas sim persistir e ter paciência. Algo difícil, mas precisamos trabalhar a tranquilidade nessas horas para conseguirmos lidar com a situações inusitadas (não tão agradáveis) e mudá-las. Não é saudável se chatear com os pormenores do dia-a-dia. Em prol de uma rotina melhor, podemos insistir na difícil tarefa de transformá-los - que seja, a princípio, uma mudança de perspectiva sobre eles.
Estou convencido de que é melhor ser impetuoso do que circunspecto, porque a sorte é como a mulher; e, para dominá-la, é necessário contrariá-la.

Niccolo Maquiavel, in O Príncipe

Sublime alegria

+ Ver comentários

Há algum tempo atrás encontrei esta foto que demonstra quão sublime é a alegria que o nascimento de uma criança traz para a vida de uma pessoa. O interessante dessa história que essa é a profissão da minha mãe, cuidar de recém-nascidos: mamãe é uma pediatra neonatal. Não é a carreira mais prestigiada na medicina, mas é o que faz os olhos de minha mãe brilharem, tendo paixão pelo o que faz. E acho que essa é a alegria que vale na vida.

A foto também me remete a expressão do meu sorriso, que em breve estará mais belo e melhor - e me trará mais alegria!

Metas 2010 II

+ Ver comentários

Para aqueles que dizem que o ano só começa depois do carnaval, aproveito então para expor minhas reais metas de 2010. Minhas metas são em forma de desejos subjetivos (como parâmetros a seguir, sendo uma linha de determinação) e não uma lista de pressões, pois não podem ter o papel de expectativas pré-estabelecidas: o futuro é mutável e surpreendente! Um objetivo ao longo do tempo é como na ilustração abaixo, versátil e flexível - o principal é apenas manter a essência nas mais diversas formas que o seu propósito possa ter:


Ainda sim, tentarei fazer uma lista objetiva sobre os planos para 2010 no meu listography, como viajar para o exterior, aprender a dirigir, e enfim! ;)

Pois então, aqui seguem a essência de desejos de 2010, começando pela idéia de 'Realizar-se' - sim, algo muito amplo que vou tentar concretizar a cada instante de acordo com as próximas pretensões:
  • Bem-estar : Cuidar melhor de mim (alimentação, físico, hábitos...);

  • Compartilhar - espalhar alegria: Ser menos individualista ao mundo;

  • Auto-Controle : Nada de ansiedade, stress e pressão - Desbravar e aproveitar a vida tranquilamente;

  • Bondade - gentileza : Mais paciência para com o mundo (!), compreender melhor e ser mais tolerante;

  • Auto-Conhecimento, Sabedoria, Maturidade : Expandir 'consciências' e conhecimentos;

  • Determinação: Realizar obrigações com a melhor qualidade e eficiência;

  • Virtudes : Melhor convívio familiar, exercitar dotes caseiros e culinários;

  • Apreciar e analisar - observar melhor o mundo ao redor, ser mais perceptiva: Criar oportunidades e fazer a rotina valer a pena.

  • Paixão - pelo que faz, por viver: Encontrar e descobrir cada vez mais as paixões e belezas da vida em todos os âmbitos (inclusive no acadêmico, profissional...);

  • Disposição, atenciosidade, equilíbrio, dedicação, amor e FELICIDADE!

ps. E ah!!! Que 2010 realize um sorriso belo e deslumbrante (depois de tantos problemas na mandíbula ;P).

Carnival

+ Ver comentários
Carnival came by my town today
bright lights from giantwheel
fall on the alleyways
and I'm here
by my door
waiting for you

come on and love me now

I would like to take you
down there
just to make you mine
in a merry-go-round

come on and love me now
come on and love me now

Dia

+ Ver comentários
Todos os dias
nascem pequeninas nuvens,
róseas umas,
aniladas outras,
nacaradas espumas...

Todos os dias
nascem rosas,
também róseas
ou cor de chá, de veludo...

Todos os dias
nascem violetas,
as eleitas
dos pobres corações...

Todos os dias
nascem risos, canções...

Todos os dias
os pássaros acordam
nos seus ninhos de lãs...

Todos os dias
nascem novos dias,
nascem novas manhãs...

Saúl Dias, in "Essência"

Quando eu crescer...

+ Ver comentários

Crescendo ao redor de pessoas sempre mais velhas e as vendo crescer, sempre me inspirei na frase "Quando eu crescer..." (e quem sabe, mesmo 'crescida', hei de continuar a dizer isso).

Apesar de considerar o termo restrito, não nego que a vida é feita de etapas, por institucionalização social, praticamente. E a impressão que a sociedade nos transmite é que de acordo com as etapas concretizadas, você se "torna" mais velho.

São os períodos 'sociais' da vida como escola, universidade, carreira profissional, formação de família... Mas, como disse acima, acho que é um termo restrito, porque é uma questão individual de sentimento acerca do crescimento pessoal e do amadurecimento de cada um.

Porque idade é algo muito relativo. Crescer é algo muito particular. E peculiar, poderíamos dizer.

Feliz 01022010!

+ Ver comentários


Como o meu post de feliz ano novo realmente se atrasou um tanto, resolvi que o Dia do Palíndromo [1][2] seria uma boa data para deixar meus votos de feliz 2010 aqui no blog.

Para celebrar meus desejos para cada dia e cada instante desse ano (e justamente por isso não vejo problemas em estar oficializando no blog só agora), apresento esse video:


We love 2010 from Soleil Noir on Vimeo.