A vida como ela é

+ Ver comentários

Sei que já escrevi muito sobre escolhas por aqui - e isso acaba dizendo bastante sobre mim também. Mas hoje li um texto do Alex Castro que reflete muito do que penso; recorrentemente cito ele aqui no blog, talvez por acompanhá-lo desde os momentos que comecei a escrever essas divagações. Hoje, não concordo com tudo que ele diz, mas as perspectivas dele são sempre interessantes e algumas coisas me marcam, como o texto abaixo:

não existe isso de escolha certa.
não faz sentido se torturar para decidir qual é o caminho certo. isso só leva a infelicidade. pois no primeiro contratempo você vai concluir que caminho certo era o outro, que você escolheu errado, que é um idiota. (e sempre vai haver um contratempo.) a busca pela escolha certa sempre leva à infelicidade, não interessa o resultado.
e eu convido as pessoas a jogarem fora essa noção de certo. se estão considerando seriamente duas escolhas, então é porque com certeza ambas são “certas”, ou seja, ambas tem méritos o suficiente para merecerem consideração e reflexão.
mas a escolha é inevitável. (achar que podemos ter tudo é o maior sintoma de uma personalidade infantil, imatura, narcissista.) então, nos resta medir nossas prioridades e escolher – sempre sabendo que nenhuma escolha é perfeita, sempre sabendo que toda escolha implica uma perda.
uma vez, eu disse no blog que não tinha arrependimentos e caíram vários leitores de pau em mim, dizendo que era impossível, que estava gastando onda, etc. mas eu repito: se você sinceramente encara a vida como expus acima, a própria noção de arrependimento perde o sentido. você não tem COMO se arrepender.
hoje, sabendo tudo o que eu sei, eu não teria ido para os estados unidos em 2005. mas eu hoje só sei tudo o que eu sei porque eu de fato fui para Nova Orleans em 2005 e morei lá por seis anos. e eu sempre vou ter morado seis anos em Nova Orleans. e essa experiência sempre vai ter me modificado e definido. então, não faz nenhum sentido falar em arrependimento. claro que não me arrependo de nada. como poderia?
* * *
para receber os textos do autor:
http://alexcastro.com.br/assine/

Toda escolha é difícil justamente por nos forçar a abrir mão de outras coisas. Costumamos pensar que escolhas são apenas ganhos (no pensamento: "olha, como é bom ter opções e poder decidir!"), mas não consideramos que toda escolha é uma perda. Erros e acertos, tentativa e aprendizagem. Intercaladas notícias boas e ruins pelo caminho. A vida como é ela demonstra que só nos resta assumirmos responsabilidade pelos nossos atos, sem meias-desculpas ou arrependimentos, para arcarmos - e vivermos bem - com as consequências do que escolhemos todos os dias.